Carregando Notícia
Saúde

Você costuma coçar os olhos com frequência? Então pare imediatamente ou poderá acontecer isso

O ceratocone é uma enfermidade que faz com que a córnea se projete para a frente, formando uma saliência em forma de cone, o que pode levar ao comprometimento da visão

PUBLICIDADE

Ceratocone é uma doença que afeta a estrutura da córnea, camada fina e transparente que recobre toda a frente do globo ocular. A principal característica dessa condição é a redução progressiva na espessura da parte central da córnea, que na qual é empurrada para fora, formando uma saliência com o formato parecido com um cone.

PUBLICIDADE

Estrutura interna dos olhos - Mundo Educação

A córnea funciona como uma lente fixada sobre a íris, a área colorida dos olhos é chamada de pupila, projetando a luz sobre a retina. Alterações na transparência e curvatura da córnea podem comprometer a visão. A ceratocone impede a eminência de imagens nítidas na retina, podendo desenvolver um grau elevado de astigmatismo irregular e miopia.

Ceratocone é uma doença genética rara, hereditário e sua evolução é lenta, que pode se manifestar entre 10 e 25 anos, porém tem casos que podem progredir até a 4° década da vida ou estabilizar-se com o tempo. A condição atinge em torno de 150 mil pessoas por ano no Brasil e o distúrbio pode afetar mais um olho que o outro.

Causas e fatores de risco 

Não tem conhecimento da causa exata da doença, ainda. Porém, há possibilidade das alterações na superfície da córnea sejam resultado de vários fatores que influenciam para a perda de elementos estruturais dessa membrana e isso vão desde o decréscimo no aporte de colágeno até mesmo o ato de esfregar ou coçar os olhos com frequência. Por isso, nos pacientes alérgicos é mais comum desenvolver essa enfermidade, pois sentem muita coceira nos olhos. Podendo também está presente nos portadores da síndrome de Down ou com alterações oculares congênitas, como a catarata e a esclerótica azul (branco do olho), por exemplo.

Sintomas

Podem variar de acordo com a fase da doença, porém o mais característico é a perda progressiva da visão, que é uma imagem borrada e distorcida (não importa a distância) e assim ocorre o aumento de forma frequente o grau das lentes dos óculos até que a única solução é substituí-los por lentes de contato, que podem ser de diferentes tipos.

  • Sensibilidade à luz ;
  • Comprometimento da visão noturna;
  • Visão dupla;
  • Formação de múltiplas imagens de um mesmo objeto ou de halos ao redor das fontes de luz são outros sintomas da doença.

Diagnóstico

A avaliação inclui o exame na lâmpada de fenda, um aparelho que permite analisar o olho em detalhes desde a camada externa da córnea até o nervo ótico.

O Oftalmologisa pode pedir alguns exames complementares, como topografia computadorizada da córnea, paquimetria corneana e a tomografia computadorizada, por exemplo. Esses exames são úteis para confirmar o diagnóstico, avaliar a progressão da doença, o grau de comprometimento da área afetada e nortear o tratamento.

Tratamento 

Nas fases iniciais, o uso de óculos é suficiente para recuperar a acuidade visual. No entanto, com o progresso da condição evolui precisa usar lentes de contato.

Um avanço importante no tratamento do ceratocone é o crosslinking, uma intervenção que o objetivo é fortalecer as moléculas de colágeno da córnea evitando a evolução continue abaulando. A técnica é raspar a superfície da córnea, depois aplique um colírio à base de vitamina B2 (riboflavina) e em seguida, um feixe de luz ultravioleta.

O procedimento é rápido e o local fica anestesiado, não precisa de internação hospitalar e obtém bons resultados na imensa maioria dos casos.

Prevenção 

Não exige algo que preveni de forma exata, porém é possível controlar a evolução da doença nas pessoas geneticamente predispostas, corrigindo o hábito de coçar os olhos, tratando as atopias (rinite alérgica, certas alergias dermatológicas e asma, por exemplo) que podem causar a coceira e reavaliando as condições de adaptação e higiene das lentes de contato, se for o caso.