Carregando Notícia
Saúde

Vitamina B6 contribui para redução de ansiedade e depressão, aponta estudo

Suplementação de vitaminas e minerais deve ser supervisionada pelo médico ou nutricionista

PUBLICIDADE

De acordo com pesquisas recentes, o uso da vitamina B6 pode trabalhar significativamente para a redução de depressão e ansiedade. Cientistas da Universidade de Reading, do Reino Unido, observaram o impacto de doses elevadas de vitamina B6 em adultos e jovens e identificaram que eles sentiram-se menos ansiosos e deprimidos depois de tomarem os suplementos todos os dias durante um mês.

PUBLICIDADE

Publicado na revista científica Human Psychopharmacology: Clinical and Experimental, a pesquisa apresenta evidências que indicam o uso de suplementos com o objetivo de alterar os níveis de atividade no cérebro para prevenir ou tratar transtornos de humor.

“O funcionamento do cérebro depende de um delicado equilíbrio entre os neurônios excitatórios que transportam informações e os inibitórios, que impedem a atividade descontrolada. Teorias recentes ligaram transtornos de humor e algumas outras condições neuropsiquiátricas com uma perturbação desse equilíbrio, muitas vezes na direção de níveis elevados de atividade cerebral”, afirma o pesquisador David Field, principal autor, da Escola de Psicologia e Ciências da Linguagem Clínica da Universidade de Reading, em comunicado.

De acordo com o especialista, a vitamina B6 ajuda o nosso corpo a produzir um mensageiro específico que trabalha inibindo os impulsos no cérebro. “Nosso estudo relaciona esse efeito calmante com a redução da ansiedade entre os participantes”, afirma Field.

Embora estudos de antes tenham mostrado informações de que multivitaminas podem reduzir os níveis de stress, poucos estudos apontam quais vitaminas específicas surtem esse efeito. O novo estudo se focou em trabalhar o papel potencial das vitaminas B6, que são conhecidas por elevar a produção do ácido gama-aminobutírico (GABA, na sigla em inglês), no corpo, um composto químico que inibe os impulsos entre as células nervosas do cérebro.

Mais de 300 participantes da pesquisa receberam, de forma aleatória, suplementos de vitamina B6 ou B12 muito acima do recomendado para uma porção diária (aproximadamente 50 vezes a dose diária recomendada) ou placebo (uma substância que não produz qualquer efeito no organismo).

O suplemento foi tomado uma vez ao dia com alimentos durante um mês. O estudo mostrou que a vitamina B12 teve menor efeito se comparado com o placebo, mas a vitamina B6 fez uma diferença estatisticamente mais significativa. Níveis altos de GABA nos participantes que tomaram suplementos de vitamina B6 foram confirmados por testes visuais realizados no fim do estudo, reiterando a hipótese de que a B6 foi responsável pela redução da ansiedade.

De acordo com o estudo, mudanças pequenas no desempenho visual foram detectadas, consistentes com níveis controlados de atividade cerebral. “Muitos alimentos, incluindo atum, grão de bico e muitas frutas e legumes, contêm vitamina B6. No entanto, as altas doses usadas neste estudo sugerem que os suplementos seriam necessários para ter um efeito positivo no humor”, disse Field.

O pesquisador afirmou que a pesquisa está em estágio inicial e que o efeito da vitamina B6 sobre a ansiedade ainda foi pequeno se comparado aos resultados obtidos com medicação. “No entanto, as intervenções baseadas em nutrição produzem muito menos efeitos colaterais desagradáveis ​​do que os medicamentos e, portanto, no futuro, as pessoas podem preferir essas intervenções”, afirma. Uso de vitaminas deve ser feito com acompanhamento médico A suplementação de vitaminas e minerais deve ser supervisionada por um médico ou nutricionista.

Tanto a falta como o sobejo de nutrientes pode ser prejudicial para sua saúde, por essa razão, uma análise clínica é necessária. Cereais como aveia, arroz integral, amaranto e quinoa, entre outros, são ricos em B6. A falta de B6 pode comprometer a produção de anticorpos e a atividade das células na defesa do organismo. A Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) recomenda que mantenha-se sempre uma alimentação balanceada e cheia de nutrientes, para evitar oscilações na eficiência do sistema imunológico.