Carregando Notícia
NotíciasSaúde

Jovem tosse por 14 anos, o que ela descobre no pulmão é de arrepiar

O caso espantou o médico ao ver novas imagens de tomagrafia e foi descoberto o real motivo da tosse não ter melhorado depois de tantos anos

PUBLICIDADE

Uma chinesa de 22 anos chamou atenção de profissionais da saúde e da imprensa. A jovem não teve a identidade revelada, desde a infância ela tinha uma tosse persistente. De acordo com as informações, a paciemte teria sido atendida no Primeiro Hospital Afiliado da Universidade de Medicina Chinesa de Guangdong, na região sul da China, sendo diagnosticada com um quadro de bronquiectasia (essa condição tem como característica principal uma tosse persistente e incômoda).

PUBLICIDADE

Nesses casos, muitas vezes as formas de tratamento é realizado com alguns medicamentos como antibióticos. Porém, no caso da chinesa não apresentava melhorias, pelo contrário, os problemas respiratórios pioravam.

O vice-chefe de cirurgia cardiotorácica do hospital, Dr. Wang Jiyong, decidiu pedir novas tomografias para entender o que estaria causando a tosse. Para a surpresa do médico, foi descoberto a real causa, havia um pequeno osso de galinha dentro do pulmão da jovem. Depois de identificar a presença do osso, o médico cirurgião submeteu a chinesa a uma broncoscopia para retirar o fragmento que de acordo com ele, aparentemente seria de uma galinha ou de um pato.

A paciente, bastante chocada, falou que não faz ideia de como aquilo havia parado ali. Os médicos falaram que provavelmente foi inalado por acidente, durante sua infância e que aquele era o motivo de suas tosses frequentes. O procedimeto foi bem realizado na remoção e a mulher se encontra bem.

O cirurgião chamou atenção pelo fato da paciente ter sido diagnosticada erroneamente com bronquiectasia e que ninguém buscou verificar outros sintomas físicos para avaliar a situação recorrente. O médico também revelou que a jovem estava à procura de uma cirurgia para tratar a hiperidrose (suor excessivo), mas que seu principal objetivo era tratar as complicações respiratórias o mais rápido possível.

Vale ressaltar que os profissionais da saúde estão sempre nos alertando sobre o que sentimos e o que fazemos que pode nos trazer danos. Sendo assim, ao menor sinal de qualquer coisa irregular, principalmente na parte interior, precisa buscar por ajuda médica. Com isso, os profissionais serão capazes de identificar o problema e então lidar da melhor forma.

Em 50 a 80% dos casos, o episódio de engasgamento é presenciado, sendo relatado um episódio súbito de tosse, falta de ar e cor azulada ou arroxeada da face da criança. Porém, existem casos como o da chinesa de 22 anos que não é presenciado e a suspeita de aspiração só dá sinais que pode variar de dias a semanas após o incidente, numa criança que mantém tosse crónica, pneumonias de repetição ou alterações persistentes da radiografia do tórax.