Início » A pedido das filhas, justiça bloqueia R$ 640 mil de ex marido que matou juíza no Rj
Notícias

A pedido das filhas, justiça bloqueia R$ 640 mil de ex marido que matou juíza no Rj

A pedido das três filhas do casal, todas menores de idade, em nome da avó que ficou com a guarda das crianças, a justiça do Rio de Janeiro bloqueou R$:640 mil de Paulo José Arronenzi. O engenheiro matou a facadas sua ex-mulher, a juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi.

O engenheiro tem cidadania Italiana, e mesmo preso, poderia transferir o dinheiro para o país Europeu por meio de terceiros por este motivo a justiça concedeu o bloqueio. Esse valor passará a ficar disponível para uma futura indenização por danos morais e para garantir o sustendo das três filhas do casal. As crianças presenciaram o brutal assassinato da mãe na véspera do Natal no dia 24/12 por volta das 18h.

O pedido de arresto foi feito pelas meninas, m nome da avó, e concedido neste sábado (26) pelo juiz João Guilherme Chaves Rosas Filho durante o Plantão Judiciário. O processo está sob segredo de Justiça.

O assassinato gerou comoção e despertou manifestações de órgãos do Judiciário. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Luiz Fux, divulgou nota oficial em que os órgãos “se comprometem com o desenvolvimento de ações que identifiquem a melhor forma de prevenir e de erradicar” o feminicídio.

O vídeo filmado por uma testemunha que estava passando no local do crime nesta quarta-feira (24), chocou a população e gerou comoção por todas as redes sociais. O homem matou a ex-mulher a facadas na frente das três crianças e em nenhum momento mostrou arrependimento pelo crime. O corpo de Viviane foi cremado na manhã deste sábado no bairro do Caju, na região central do Rio.

Viviane entrará para uma triste estatística: em 2020, o Estado do Rio registrou 67 feminicídios, segundo dados consolidados até novembro do Instituto de Segurança Pública (ISP). No ano passado, foram praticados 85 feminicídios, a maioria (47%) cometidos por companheiros ou ex-companheiros das vítimas. De 2017 a 2019, houve alta de 25% desse tipo de ocorrência.

Veja Também:  Vídeo: Briga com foice viraliza nas redes sociais; imagens chocantes