Início » Bebê responsável por mobilizar campanha milionária não resiste e internet vai aos prantos
Notícias

Bebê responsável por mobilizar campanha milionária não resiste e internet vai aos prantos

O caso que mobilizou pessoas em todo o país acabou com um final triste, após a mobilização para conseguir arrecadar 11 milhões de reais a bebê Aysha acabou não resistindo e perdeu a vida neste último sábado dia 26 de setembro. A bebê de apenas seis meses de idade nasceu com Atrofia Muscular Espinhal e necessitava de um remédio importado porém que poderia salvá-la, esse remédio é considerado o medicamento mais caro em todo o mundo.

A bebê morava na cidade de Americana no interior do Estado de São Paulo, e infelizmente a notícia foi dada nas redes sociais que estavam sendo usada para arrecadar os fundos e comprar o remédio para a pequena Aysha. A família ainda pediu para que as pessoas pudessem orar para que eles tivessem força para passar por esse momento tão difícil e delicado.

Um show beneficente estava sendo organizado e contava com vários artistas de variados estilos, esse evento aconteceria em drive in e todo o dinheiro arrecadado seria usado para a compra desse medicamento que custava cerca de 11 milhões de reais. Agora com o falecimento de Aysha o evento ainda irá acontecer porém será como uma homenagem a pequena garotinha que em tão pouco tempo conquistou o coração de muitas pessoas através das redes sociais.

O dinheiro arrecadado com o evento agora será revertido a alguma instituição que dá suporte a famílias com crianças com o mesmo tipo de doença que Aysha, a AME. Os organizadores também disseram que oferecerão todo o suporte necessário para a família de Aysha e os ajudarão no que for necessário financeiramente.

Que todos possam nesse momento usar de sua fé para pedir forças a toda a família de Aysha, e que eles possam se sentir confortados pela paz de Deus em um dos momentos mais difíceis da vida, somente quem já passou por algo assim para saber a dor de perder um filho.

Veja Também:  Legalização do aborto. Senado da Argentina aprova a prática.

Fonte: G1